pesquisa



Espaços públicos na área central do Rio de Janeiro: história, centralidades e morfologia

Coordenador
Andréa de Lacerda Pessôa Borde
Naylor Barbosa Vilas Boas
Roberto Segre

Integrantes
José Barki
Naylor Barbosa Vilas Boas

Esta nova pesquisa busca desenvolver o sistema de centralidades e espaços públicos criados a partir do século XIX, com a chegada da Corte portuguesa à cidade, em torno do novo eixo urbano interligando o Paço Imperial (Praça XV) à Residência Real (São Cristóvão). Constitui um eixo perpendicular ao eixo colonial estruturado ao longo da Rua Primeiro de Março e pontuado das centralidades exercidas pelos seguintes espaços públicos: Praça XV, Largo do Carioca, Praça Tiradentes e Campo de Santana. A partir daí até a Quinta de Boa Vista, não se observa propriamente uma centralidade organizada em torno de espaços públicos notáveis, mas áreas com desenvolvimento urbano posterior ao do núcleo urbano original. São áreas como a Cidade Nova e a via que no século XX foi consolidada pela Avenida Presidente Vargas. Se o primeiro eixo definia a consolidação da estrutura compacta da cidade, este abria o caminho da expansão suburbana, com as suas diferentes caracterizações funcionais, sociais e culturais.

Esta análise permitirá completar o estudo iniciado sobre as centralidades e os espaços públicos na área central do Rio de Janeiro. O estudo do percurso real, e a particularidade do entorno urbanístico e arquitetônico – não desenvolvido até agora -, é importante pela coincidência com as comemorações dos 200 anos da chegada da Corte ao Rio. A pesquisa compreende a procura dos documentos históricos e iconográficos que permitam construir a evolução das praças citadas. Com os mapas históricos da cidade, realizados nos séculos XIX e XX, se definirão as camadas históricas para a reconstrução em 3D da evolução formal, funcional e estética das praças até o início do século XXI. O estudo e a verificação da realidade atual permitirão elaborar um diagnóstico sobre as mudanças possíveis a concretizar para resgatar a significação social e cultural dos espaços públicos. Ao longo destas pesquisas desenvolvidas no PROURB, FAU, UFRJ, no Laboratório de Análise Urbano e Representação Digital (LAURD), temos elaborado a construção em 3D do centro do Rio, que será ampliada para os novos limites estabelecidos nesta pesquisa.